sábado, 8 de janeiro de 2011

Passos tortos



Passos tortos
Cambaleantes
Leva-me não sei onde
Nós que amantes
Sempre andamos juntos
Nos perdemos.
Como um diamante
Escondido na rocha
Eu garimpeiro
Sou mineiro uai
Nada acho
Não me acho
Perco você...

Passos tortos
Destoantes
Caminhei em terra estranha
Provei comida nova
Esqueci minha essência
Engasguei com minha demência
E não soube como voltar.
Uma noite de jantar
Por uma vida inteira de fome
Nem lembro seu nome
Sei que amei
Sonhei
Parei...

Passos tortos errantes.

                Jacques Manz

1 comentários:

Nuriko disse...

Essa ideia de passos sempre foi algo curioso para mim, como se tudo fosse simplesmente este "ir em frente". Talvez seja porque somente na estrada consigo me reconhecer.

Postar um comentário