sábado, 27 de novembro de 2010

Mosaico



Estou num emaranhado de rabiscos
Na confusão de um mosaico
Sou a incerteza da forma
O erro no cálculo geométrico
A ausência de simetria
O futuro e o pretérito
A desordem na periferia
A imagem obscura na retina
O som com ruídos
Uma tela abstrata
A tecnologia e um primata
A involução
Hoje dominado
Por minhas criações
O pecado de Adão
Perdido no tempo
E no espaço
Entre guerras e lágrimas
Entre fome e falta d’água
Falta amor
A quem sobra o dinheiro
Resta a miséria
Ao mundo inteiro
Sou o “não sei mais o que fazer”
Sou o fim da raça
A desgraça
De ser consumido por meus atos
Do suicídio
Ao queimar minha casa
Ao contaminar minha água
Ao explodir o mundo
Buummmm...
Quem quer dinheiro?
Agora saque no inferno
E barganhe com o diabo.


                                     Jacques Manz

1 comentários:

Khice disse...

BeST!

Postar um comentário