sexta-feira, 17 de junho de 2011

Game over




Quando parque,
Usastes...
Quanta diversão!
Eu, roda gigante,
Girava sem rumo,
Desconsertado sem prumo.

Quando circo,
Ristes...
Gargalhadas em explosão!
Eu, palhaço,
Mantinha o sorriso letal,
Enquanto a farsa era natural.

Quando teatro,
Admirastes...
Olhos de cobiça-tentação!
Eu, ator-cenário,
Rindo pra não chorar,
Entregue a ficção, fingindo não amar.

Quando jogo virtual
Perdestes...
Cara de decepção!
Eu, hacker do amor,
Desprogramando o que se vê,
Game Over pra você.

                                       Jacques Manz




2 comentários:

Isabelle disse...

Amor, adoro o que escreves...sempre cheio de sensibilidade e razão...
"Eita!" Razão e Sensibilidade (Jane Austen)...Adorooooo kkk
Em algum momento de nossas vidas, tornamo-nos reféns de algumas situações, mas o importante é não cultivarmos em nós mesmos a Síndrome de Estocolmo, pois quem escreviza não sabe Amar...

Dan disse...

Que profundidade... sempre intenso poeta! RS Grande abraço

Postar um comentário